Pular para o conteúdo

Déficit de atenção – tudo o que você precisa saber!

De acordo com especialistas, o transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) provavelmente sempre existiu. No entanto, não foi descrito clinicamente até o início do século XX.

Hoje em dia, são vários os estudos por trás do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, mas ainda há muitas pessoas que não entendem essa desordem.

Veja também: Os benefícios do Yoga para aliviar o estresse

Portanto, para ajudar você nisso, nós preparamos o artigo de hoje com várias informações relevantes sobre déficit de atenção. Quer saber mais? Então acompanhe agora mesmo!

O que é déficit de atenção?

Pessoas com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) têm dificuldade em se concentrar, estar atentos e realizar tarefas mais complexas. Muitas vezes têm dificuldade em ficar no lugar, esperar pela sua vez e agem frequentemente de forma impulsiva.

Embora esses comportamentos possam ser encontrados em todos os seres humanos, eles estão presentes de forma anormalmente pronunciada e prolongada em pessoas com TDAH. 

Eles também estão presentes em todas as circunstâncias da vida (não apenas na escola ou apenas em casa, por exemplo).

Causas do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH)

O TDAH é o resultado de um acúmulo de muitos fatores de risco genéticos e ambientais, que intervirão muito cedo no desenvolvimento da criança, desde a vida in útero, ou durante os primeiros anos de vida da criança. 

Se os fatores genéticos e seu peso nas causas do TDAH são bem fundamentados, as ligações de causa e efeito entre as condições ambientais e a presença de TDAH não são estabelecidas, portanto, falamos mais de uma correlação (uma simples ligação) entre as condições ambientais e a presença de TDAH do que de uma ligação causal.

Para a maioria das pessoas com TDAH, a sua origem está relacionada tanto a fatores genéticos como ambientais.

Fatores genéticos

O peso dos fatores genéticos é importante no TDAH. Estudos do genoma confirmam uma causa poligênica para a maioria dos casos de TDAH, muitas variantes genéticas se combinam e aumentam o risco de desenvolver um distúrbio. 

O TDAH também pode estar relacionado com anomalias monogénicas raras ou anomalias cromossómicas.

Fatores ambientais

Entre os fatores ambientais que podem ser a causa do TDAH estão:

  • Exposição a tóxicos, como chumbo, que é muito bem fundamentado, mas também medicamentos como paracetamol, e também exposição a embalagens, pesticidas e poluentes relacionados à circulação do automóvel, como o óxido nítrico.
  • As deficiências nutricionais também estão correlacionadas com a presença de TDAH, como ferritina sérico baixa, um nível moderadamente menor de ácidos graxos ômega-3 e níveis mais baixos de vitamina D materna.
  • Eventos durante a gravidez e o parto, como baixo peso ao nascer, prematuridade, hipertensão arterial na mãe ou obesidade, e também hipertireoidismo ou hipotireoidismo na mãe durante a gravidez podem promover a presença de TDAH na criança.
  • A exposição a deficiências emocionais, estresse, infecções, pobreza e traumas são fatores que aumentam o risco de TDAH.

Como diagnosticar déficit de atenção?

Não é fácil fazer um diagnóstico de TDAH, pois os mesmos sintomas podem resultar de outros distúrbios mais ou menos relacionados ao TDAH. Portanto, o diagnóstico de TDAH será baseado em uma avaliação aprofundada da criança e do seu ambiente de vida.

Não existe um teste neurológico ou psicológico que permita diagnosticar formalmente a doença. De fato, uma série de sintomas de desatenção ou hiperatividade / impulsividade devem ser observados em uma criança para que o déficit de atenção seja diagnosticado.

Para que o diagnóstico seja confirmado, é importante saber que:

  • Alguns sintomas devem estar presentes antes dos 7 anos de idade;
  • Os sintomas devem ocorrer tanto em casa quanto na creche ou na escola, embora sua intensidade possa variar de um lugar para outro;
  • Os sintomas devem estar presentes há pelo menos 6 meses.

Quem é afetado?

Este é o distúrbio neurocomportamental mais comum em crianças: 5% a 8% delas possuem.

Muito se afirma que sua prevalência é maior entre os meninos, provavelmente porque os meninos com déficit de atenção têm um comportamento mais hiperativo, que é mais fácil de notar do que o das meninas (em quem a desatenção predomina). 

No entanto, os estudos mais recentes não parecem revelar diferenças significativas entre os sexos.