Saiba quais são os modelos de negócio em alta para o e-commerce

O e-commerce é um dos setores em constante crescimento no Brasil. Segundo dados da pesquisa E-commerce Brasileiro, nos últimos anos, o comércio eletrônico teve um crescimento de 40%, com mais de 930 mil sites dedicados à venda online no país.

Por conta disso, podemos encontrar praticamente tudo na internet e nos e-commerces – desde a venda de um lavadora de louça industrial, até roupas, acessórios domésticos, entre outros produtos.

Além disso, a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) demonstrou que o setor tende a faturar muito, com um aumento estimado em mais de R$79,9 bilhões em vendas. 

Ou seja, é uma oportunidade de investir em um segmento com boas perspectivas de lucros.

Atualmente, mais da metade das compras são feitas online, por meio de dispositivos móveis (smartphones, tablets, celulares). Quer dizer que as lojas físicas não estão sendo mais a primeira opção dos consumidores.

Muito disso deve-se à facilidade da compra pela internet. Afinal de contas, é possível encontrar inúmeros modelos de uma bucha de bronze, por exemplo, com apenas um clique na palma da mão.

Assim, o mercado está cada vez mais moderno, buscando novas formas de se adaptar à rotina dos usuários, oferecendo conforto, praticidade e facilidade na compra de produtos e serviços online.

Mas, diante de tanta competitividade no mercado, quais são os modelos de negócio em alta para o e-commerce?

O artigo de hoje busca responder essa pergunta e dar dicas de como empreender em diferentes ramos do comércio eletrônico.

Quer saber mais? Então acompanhe a leitura!

Quais são as principais opções de negócios para um e-commerce?

Existem diversas opções de modelo de negócios para um e-commerce. 

Sendo assim, o empreendedor digital pode escolher algo que não somente oferece boas possibilidades de lucro, mas também que atende os seus propósitos (objetivos pessoais, entre outros).

Dentre os principais tipos de negócio para um e-commerce, destacam-se:

1 – Business to Consumer (B2C)

O modelo B2C (Business to Consumer, ou empresa para o consumidor) é o mais conhecido do público. 

Ele refere-se à relação comercial estabelecida entre o empreendimento que vende diretamente para os clientes finais, como uma loja de roupas online.

Esse modelo de negócios é o preferido por pequenos e médios empresários. Até porque, o crescimento é bastante acelerado e as possibilidades de lucros são rápidas. 

No entanto, é importante ressaltar a alta concorrência.

2 – Business to Business (B2B)

Neste caso, as empresas vendem para outras empresas, que posteriormente fazem a revenda para os consumidores finais. 

Por exemplo, quando um negócio compra acido peracetico de um fornecedor e oferece o produto no site, ganhando uma margem de lucro em cima de cada mercadoria.

3 – Business to Business to Consumer (B2B2C)

Apesar do nome complexo, essa relação comercial diz respeito à venda de uma empresa para empresa e para consumidor final. No entanto, ao contrário do B2B, esse modelo de negócios ocorre da seguinte forma:

  • O cliente faz a compra no e-commerce;
  • O e-commerce recebe o pedido e aciona o fornecedor;
  • O fornecedor encaminha os produtos para o centro de distribuição;
  • O responsável pela distribuição envia para o cliente.

Ou seja, de certa maneira, o processo é intermediado pelo e-commerce.

4 – Consumer to Consumer (C2C)

Nesta modalidade, a venda ocorre de pessoa física para pessoa física. Por exemplo, quando você anuncia a venda de uma mesa de aço inox em um marketplace. 

Desse modo, os produtos são expostos e os consumidores podem entrar em contato direto com o vendedor.

5 – M-commerce

Este tipo de modelo de negócios online tem crescido bastante nos últimos anos, em virtude do uso cada vez mais frequente dos smartphones. 

No M-commerce, todo o comércio eletrônico é pensado para o celular, com a mesma qualidade de compra em um desktop.

Portanto, você pode desenvolver um site responsivo ou até mesmo um aplicativo, para compra direta nos dispositivos móveis.

Vale dizer que o M-commerce não exclui as outras modalidades de negócio; ao contrário, é uma forma de agregar ao seu comércio eletrônico.

Por exemplo, se você é um revendedor de uma impressora de código de barras, pode oferecer o equipamento em um site responsivo, para que outros usuários se interessem pelo seu aparelho e possam comprar diretamente no celular.

5 dicas para montar o seu negócio online

Independentemente do modelo de negócio que escolher para o seu e-commerce, é necessário lembrar que a internet é um espaço tão competitivo quanto o mercado físico. 

Portanto, é preciso pensar em estratégias para se destacar perante à concorrência.

Até mesmo para empresas pequenas, como um vendedor de fita galão bordado C2C, vale a pena ter um planejamento específico, para conseguir alcançar uma boa margem de lucros e ter sucesso com o seu e-commerce.

Por isso, separamos algumas das principais estratégias usadas para empreender o seu negócio online. Confira abaixo!

1 – Defina a sua persona

A persona consiste em um personagem semi-fictício do seu cliente ideal, com base nas características do seu público-alvo. 

Desse modo, é possível humanizar a sua estratégia, direcionando campanhas para pessoas realmente interessadas no seu produto ou serviço.

Por exemplo, os interessados no aluguel de gerador são parte de um perfil muito específico de público, portanto, nada melhor que montar ações específicas.

Entre as principais informações a respeito de um público-alvo, destacam-se:

  • Faixa-etária;
  • Nível de escolaridade;
  • Nível socioeconômico;
  • Gênero;
  • Estado civil;
  • Profissão;
  • Hobbies e interesses.

Assim, você pode construir uma persona com uma história de vida, seguindo essas características.

2 – Faça um estudo de mercado

O estudo de mercado é fundamental para compreender mais sobre a área que você deseja atuar. 

Por exemplo, se a intenção é comercializar uma impressora de etiquetas zebra, saiba quais são as empresas que trabalham com isso e como é o funcionamento delas.

Ou seja, o estudo de mercado ajuda a esclarecer o empresário sobre os aspectos quantitativos e qualitativos do nicho em que a sua empresa pretende atuar. Desse modo, é possível usá-lo como um guia do seu negócio.

3 – Tenha um planejamento detalhado

O planejamento é a chave do sucesso para qualquer empreendimento, incluindo o e-commerce. 

Afinal de contas, o comércio eletrônico não é somente abrir um site e sair vendendo, mas sim, requer muito estudo, observação e capacidade de compreensão do mercado online.

Por isso, é importante ter um planejamento detalhado, não só com a parte comercial, mas também a financeira, verificando o quanto você tem disponível para investimento, suas margens de lucros, rendimento, entre outros.

O planejamento também ajuda a perceber se o seu negócio está cumprindo os objetivos, sendo mais fácil estabelecer metas.

4 – Foque na experiência dos clientes

O que mais conta na internet é a experiência do usuário. 

Por esse motivo, é importante que você tenha um e-commerce que possibilita a boa navegabilidade dos internautas, tenha uma interface amigável e, além disso, seja acessível nos dispositivos móveis.

No comércio eletrônico, também é necessário deixar bem claro quais são as formas de pagamento para os seus clientes. 

Caso você opte pelo uso de cartões de crédito, veja como é possível firmar parcerias com operadoras.

Além disso, não se esqueça de pensar na logística para a entrega das mercadorias e, finalmente, ter uma política de devoluções.

5 – Crie boas campanhas de marketing

Para destacar-se na internet, é interessante ter uma boa campanha de marketing. 

Lembre-se de que você está concorrendo com milhares de empresas, inclusive com negócios que não são da mesma região física que você, o que aumenta ainda mais a competitividade.

Uma das campanhas de marketing mais eficiente é a produção de conteúdo, já que os usuários não estão apenas focados em propagandas invasivas, mas sim, querendo ser bem informados a respeito de um assunto.

Assim, buscar estratégias de marketing de conteúdo, em conjunto com campanhas de divulgação em sites, blogs e redes sociais pode ser uma alternativa muito vantajosa para o seu e-commerce.

Conclusão

Diante da boa perspectiva de crescimento do e-commerce, bem como a mudança no comportamento dos consumidores, que buscam cada vez mais a aquisição de produtos e serviços online, o investimento no comércio eletrônico acaba sendo uma boa perspectiva para todos os empreendedores, desde os micros até às grandes multinacionais.

Além disso, o e-commerce oferece muitas possibilidades de comercialização, sendo possível aproximar o contato da empresa com o público e direcionar campanhas de marketing, atingindo exatamente os clientes ideais e interessados no seu negócio.

Por conta disso, o retorno do investimento é muito mais rápido e efetivo – o que tem atraído os empreendedores para o mundo online.

Contudo, é preciso lembrar que, assim como as lojas físicas, a internet também é um espaço extremamente competitivo e exigente, o que torna a concorrência bastante acirrada. 

Sendo assim, vale a pena ter um planejamento estratégico para o seu comércio eletrônico, evitando possíveis problemas e ajudando a direcionar melhor suas ações online.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe um comentário